Menina da plantinha

Rosângela Trajano

1

Uma vez uma menina

Desejava criar algo

Cansada da vã rotina

O pai era gentil fidalgo

2

Ganhou uma bela plantinha

De presente do doutor

Meio frágil coitadinha

Necessitava de amor

3

Não sabia onde guardar

A plantinha sorridente

Pensou num grande lugar

Era uma ideia somente

4

Matutando um bom lugar

Achou certa janelinha

Ouviu o gato miar

Para comer a plantinha

5

Rapidamente tirou

A plantinha da janela

Bichano bravo ficou

Logo seguiu atrás dela

6

Difícil achar local

Para guardar a plantinha

Longe daquele animal

Que instinto apurado tinha

7

Colocou sua plantinha

Perto da televisão

Não ficaria sozinha

Estaria em proteção

8

Mesmo na hora da novela

De repente, veio um grito

Menina largou tigela

Grito bastante esquisito

9

Sem saber dos muitos mimos

Da plantinha escandalosa

Menina chamou seus primos

Estava tão curiosa

10

Os primos se assustaram

Com a danada plantinha

Por minutos pensaram

Foi feitiço na bichinha

11

Meus primos são tão bobões

Plantas não se enfeitiçam

Têm dois pés e corações

Assustadas se eriçam

12

Menina descobriu

A sua doce plantinha

Voz do mocinho ouviu

Na velha televisãozinha

13

De novela bem gostava

Conhecia seu mocinho

Plantinha logo avisava

Como era seu dengozinho

14

A noite chegou bem cedo

A menina adormeceu

A plantinha teve medo

Do gato que apareceu

15

Plantinha muito chorou

Trêmula se balançava

Menina logo acordou

Qual medo lhe angustiava

16

Quis a menina saber

Plantinha que cuidou

Deu-lhe água pra beber

Gato pra fora botou

17

A noite bem devagar

No seu relógio passava

Menina nem dormiu

Novo dia já chegava

18

Ir à escola devia

Em saco iria a plantinha

Lição nova aprenderia

Com gentil professorinha

19

Seu caderno ajeitou

Tomou feliz banho belo

O seu corpo perfumou

Calçou seu velho chinelo

20

No meio da rua cheia

As pessoas indo e vindo

Plantinha tossiu alheia

Toda poluição engolindo

21

Na escolinha chegaram

Quase mortas coitadinhas

Nada elas comentaram

Respiraram fumacinhas

22

Vigia aflito ficou

Garapa preparou sim

Água e açúcar colocou

Encheu o copo até o fim

23

Mandou menina beber

A garapa devagar

Depois dela espairecer

Dali plantinha levar

24

Digo sempre a todo mundo

A poluição está matando

Nosso ambiente profundo

O povo está atacando

25

Até a sua plantinha

Quase morreu essa coitada

O fim da cidadezinha

Que cresceu desenfreada

26

Aqui muito antes morava

Gente de todo lugar

Plantinhas eu cuidava

O povo deixou de amar

27

As plantas e os animais

Vivem tudo poluindo

Não se preocupam mais

Nossas dores não sentindo

28

Leve essa bela plantinha

Pra casa e cuide dela

Ague rápido a bichinha

Trate dela igual donzela

29

Logo pra casa voltou

Fez pedido do vigia

Um curativo botou

Na plantinha que morria

30

Rezou pro Nosso Senhor

Salvar a sua plantinha

Pediu um pouco de amor

Respeito para a vidinha

31

Lágrimas muito chorou

A cidade poluída

Quase a plantinha matou

Deixou-a muito sofrida

32

Um milagre aconteceu

A plantinha respirou

Num sorriso se mexeu

Menina perto ficou

Alegria percebeu

No seu gato que miou

******

Rosângela Trajano em 12 de novembro de 2019

Tarde de primavera

Mamãe dorme na redinha

Exercícios para o bom pensar.

1 – O que uma plantinha precisa para ser feliz além de água e adubo?

2 – O que as plantinhas sentem quando são abandonadas por nós?

3 – Por que as plantinhas precisam de amor e carinho?

4 – Como cuidar dos dengos de uma plantinha?

5 – O que é a poluição?

6 – Por que a poluição está destruindo as cidades?

7 – Por que as plantinhas não suportam a poluição?

8 – Que males a poluição pode nos trazer?

9 – Como combater a poluição?

10 – Como são as cidades poluídas?

Desenhe uma plantinha vivendo numa cidade sem poluição.

 

 

Cordéis