A violência contra a mulher

A violência contra a mulher

Rosângela Trajano

Lembro-me bem de na minha infância ouvir os pedidos de socorros da minha tia Rosa quando começava a apanhar do marido. Todos corriam para socorrê-la, eu via o sangue descer pelo seu rosto, o seu braço quebrado, o corpo arranhado, as lágrimas caindo pela face e a roupa rasgada. Era uma cena triste aquela. Eu não sabia o que fazer naquela pequena idade e dizia apenas: – Foge, titia! Foge! Mas ela nunca fugia daquele homem malvado e no dia seguinte estava de volta para os seus braços. Sinceramente, eu não entendia o motivo dela sempre voltar para aquele monstro.

A violência doméstica contra a mulher é um problema sério e tem crescido nos últimos anos. Apesar da mulher ter buscado reconhecimento no mercado de trabalho e na vida acadêmica ela tem sofrido cada vez mais abusos por parte de homens próximos de si, que deveriam protegê-la e amá-la. Sabemos o quão traumático é para uma mulher ter seu rosto desfigurado por pancadas de um homem que ela ama, muitas delas têm medo de denunciar temendo represálias da parte dos seus maridos e outras têm vergonha do acontecido. Não é fácil conviver com maridos violentos e agressivos. As mulheres necessitam de proteção do Estado e de mais políticas públicas para não sofrerem abusos dos seus parceiros.

A cada dia dezenas de mulheres são violentadas dentro de casa. Os homens não respeitam os seus desejos e vontades. Nenhuma mulher é obrigada a fazer amor se não estiver com vontade, como também não é obrigada a limpar a privada ou fazer uma comida mais gostosa só porque o marido cismou que quer aquilo. Toda mulher tem direito a uma vida digna e sem medo de lutar pelos seus ideais. As dificuldades que as mulheres enfrentam para alcançarem seus sonhos somam-se aos desaforos dos seus parceiros que as menosprezam. Muitas mulheres pensam que não sabem fazer nada além de passar e cozinhar. Esquecem que antes de tudo são mulheres e merecem respeito por parte dos homens, devem ir à luta, fazer revoluções dentro e fora de casa pelos seus direitos. Buscar a lei e reconhecer nela uma proteção do Estado.

A minha tia custou a abandonar o seu marido violento, mas hoje vive bem ao lado de um homem generoso e que sabe o seu valor. As mulheres precisam lutarem por dias melhores. Não devem cruzar os braços ao ouvirem piadas ou ameaças por partes dos seus parceiros, devem procurar autoridades policiais e a justiça para denunciarem esses crimes. Chantagem emocional também é um crime grave.

Que todas as mulheres aprendam a dar o grito de liberdade em prol dos seus direitos. Abaixo a violência doméstica! Não! É não.

 

Exercícios para o bom pensar.

1 – Como você vê uma mulher?

2 – Como você vê a violência doméstica?

3 – O que você acha que deveria ser feito para combatermos a violência contra a mulher?

4 – Por que as mulheres sofrem tanta violência?

5 – Por que alguns homens não respeitam as suas mulheres?

Escreva a sua opinião sobre a violência contra a mulher.