O menino generoso

Era uma vez um menino generoso que gostava de ajudar a todos que dele precisavam. 
Um dia, a árvore de frente a sua casa foi ameaçada de morte e começou a chorar. Ela pediu ajuda ao menino generoso.
O menino generoso foi dormir cheio de porquês: por que queriam cortar a árvore que fazia sombra? Por que queriam cortar a árvore que dava frutos? Por que queriam cortar a árvore que abraçava os namorados nos finais de tarde? Por quê?
No dia seguinte, assim que acordou o menino generoso foi falar com a árvore.
– Você tem medo de morer?
– Não! Tenho medo de deixar de existir, respondeu a árvore.
Aquela resposta confundiu a cabeça do menino: morrer e deixar de existir não eram a mesma coisa, perguntou ele à árvore.
– É quase a mesma coisa, respondeu a árvore.
O menino generoso ficou mais confuso, ainda. E antes que perguntasse alguma coisa mandaram ele se afastar.
– Sai, garoto! Vamos cortar a árvore!, falou um homem alto e forte.
– Não! Vocês não podem cortá-la! Ela vai morrer!
– Era só que nos faltava! Um garoto atrevido! Ligue a serra, João, falou o homem alto e forte.
E o menino generoso foi empurrado para longe. De longe viu a sua árvore ser morta. O seu tronco foi cortado em vários pedaços.
À noite, o menino da janela do seu quarto olhava para o vazio da árvore lá embaixo. Mas dentro do seu coração ela ainda existia. E para nunca esquecê-la, o menino a desenhou num papel e pregou na parede.
As pessoas morrem, mas não deixam de existir dentro de nós.

Rosângela Trajano.

Exercícios para o bom pensar.

1 – O que é a morte?

2 – Por que morremos?

3 – O que é a existência?

4 – Como sabemos que existimos?

5 – Como ficam dentro de nós as pessoas que amamos e foram embora ou morreram?

Desenhe uma pessoa que existe dentro de você.

Sexto ano