Rosângela Trajano

Meus olhos procuram um sorriso

Às vezes quero agarrar-me ao tempo

Reencontrar-me com o passado

Fugir da tristeza do agora

Sinto uma necessidade enorme de gritar

Para o mundo perceber que existo

Meus olhos procuram um sorriso

Dão-me apenas a resposta do que sou hoje

Porque ontem fui estrela e pensava grande

Viajei por lugares belos e conheci muita gente

Vivi emoções fortes

Amei a quase tudo que apresentaram-me

Mas foi pouco diante do que sonho

Aquilo que ficou na minha imaginação

É o que despertou-me para a vida

Talvez, tarde demais

Despedi-me da coragem numa estação barulhenta

Onde o trem levou embora uma bagagem sem dona

Cortaram minhas pernas para não correr ao sucesso

Ordenaram-me a não chorar, nem entristecer-me

Diante da multidão escondi meu pranto

Aprender a perder é ser digno de enfrentar lutas

Nunca me vesti de ambição para a roupa não grudar no meu corpo

Transpirei pelo cansaço e jamais pela beleza

Só das janelas é que pude contemplar meu mundo

Sentada à beira-mar construí meu castelo de areia

Conversei com o vento que me cortejava ao passar

Trigo que faz o pão, uva que faz o vinho

Guardem meu segredo maior daqueles que me vigiam

Recolho-me nesses versos para fugir da solidão

Senhor Sol, ilumina os caminhos que pisam meus pés

Carrega-me em teus braços quando cansar da caminhada

Contudo não permitas que eu desista das artimanhas da vida

Alivia essas dores aqui da minh’alma

Estou esperando algo e nem sei o quê

Sentar-me-ei para descansar até que encontre o que espero

De felicidade alimentar-me é o que quero.

Poesias para Adultos