Temos muitos Salman Khans, também

Rosângela Trajano *

Se a imprensa escrita publica é porque é bom, e se é bom por que não usar? A capa da revista Veja de número 2254, 1º de fevereiro, traz a foto de um jovem com o título “O melhor professor do mundo”. E dentro a matéria do melhor professor do mundo Salman Khan. Por sinal,bela matéria. Mas o que me intriga e me faz redigir esse pequeno artigo é o destaque dado a Khan como se no Brasil não tivéssemos tantos Khans, o que não temos é o que Salman Khan tem: boa formação, tempo disponível para estudar e dinheiro para comprar livros, muitos livros, diversos livros.

Pelas minhas andanças em várias escolas do Brasil já conheci muitos Khans brasileiros chamados simplesmente por Maria ou João, Silva ou Ferreira. Esses Khans brasileiros fazem de tudo para levar ensino de qualidade aos seus alunos. Muitos deles são professores polivalentes e ensinam mais de uma disciplina com uma qualidade excelente. Não estou questionando o método Khan, afirmo que ele é muito bom, mas temos professores brasileiros espetaculares que postam vídeos na internet ensinando com a maior dificuldade do mundo, sem nenhuma infraestrutura, mas com muito carinho e dedicação.

Outro dia precisei estudar um pouco mais sobre história geral e procurei por vídeos na internet. Encontrei os vídeos do professor Tiago Menta, vídeos caseiros, mas que me ensinaram muitas coisas de história geral. O Tiago Menta explica tão minuciosamente que a sua aula chega a cansar muitas vezes, embora ele consiga transmitir o conhecimento para o aluno logo nos primeiros minutos das suas aulas. Acredito que se tivesse um preparo melhor esse professor seria um futuro Khan.

A verdade é que nossos professores não tiveram a formação de Salman Khan, aliás os nossos professores não têm dinheiro nem para pagar as passagens do transporte coletivo, imagine comprar livros e mais livros. Os cursos de licenciatura oferecidos pelas universidades em geral, tanto públicas quanto privadas, muitas das vezes não preparam bem o profissional nem para a sua licenciatura quanto mais para o conhecimento das demais áreas. É muito difícil lidar com a educação no nosso país, mas que temos muitos Khans isso afirmo que sim.

Não valorizamos o que temos, essa é a verdade. Querem um exemplo? Cito-me como um. Há dez anos criei um método de ensino de filosofia para crianças chamado por mim de LINO. Disponibilizei gratuitamente alguns cadernos para auxiliar os professores em meu site oficial. Durante todo esse tempo recebi mensagens do Brasil inteiro e nunca, nunca mesmo recebi uma mensagem sequer de algum professor da minha cidade. Quem trabalha na educação no nosso país tem no coração um amor ímpar. Faz-se necessário amar ensinar, ter prazer pelo que se faz, porque incentivos nos faltam muitos. Só para vocês terem uma ideia solicitei que uma professora escrevesse um pequeno texto para mim contando sua experiência em leitura com as crianças da sua escola, ela levou dias para escrever o tal texto e quando recebi, para meu espanto, havia várias ideias repetidas num texto tão curto, ou seja, ela não sabe escrever.

O método Khan já está nas escolas brasileiras. Vamos esquecer do método dos nossos professores? Vamos esquecer que muitos passam o fim de semana inteiro elaborando aulas, esforçam-se para comprar livros bons para aperfeiçoas suas aulas? Vamos esquecer dos nossos professores que muitas vezes são formados em matemática e precisam, para completar a carga horária, darem aulas de inglês ou história e mesmo sem ter formação em outras áreas conseguem se destacar tão bem quanto na sua própria formação? Vamos esquecer que nos faltam apoio e incentivo? Creio que não. Acredito que o Brasil faria um bem enorme para os pequeninos e jovens buscando Khans de norte a sul do país que ensinam tanto quanto ou melhor do que Salman Khan.

Sim, nós temos bons professores. Temos métodos sem nomes criados para incentivar os nossos alunos aos estudos. E eles nem conhecem Bill Gates e não andam com nenhum executivo famoso pelas ruas das nossas cidades. Quando muito, andam com um amigo professor do lado procurando, ambos, uma solução para tornarem suas aulas melhores.

Eu nem vou falar dos milhões de brasileiros que andam quilômetros todos os dias para chegarem até as escolas onde dão suas aulas, quanta diferença andar a pé debaixo do sol quente, enquanto Salman Khan tem na garagem dois Hondas… quanta diferença, querido professor!


* Rosângela Trajano é licenciada e bacharel em filosofia e mestra em literatura comparada.

Uncategorised